Universidade Federal da Bahia Salvador, 20 de Novembro de 2019

SIPAC > Detalhamento de Contrato

Dados do Contrato
Número do Contrato: 46/2018 - UFBA Status: ABERTO
Novo Número do Contrato:
Tipo do Contrato: Acadêmico - Tipo B
Subtipo do Contrato: NENHUM
Data da Assinatura: 30/07/2018    
Data de Início: 30/07/2018 Data de Término: 24/10/2020 (Original: 24/10/2019)
Quant. Dias Vigência: 817
Início e Término da Execução da Obra: 31/07/2018 - 31/07/2018
Data da Publicação: 30/07/2018 Duração: 27 meses
Denominação: Pesquisa, Criação e Inovação Via Curso de Mestrado Profissional em Engenharia Industrial do Estado da Bahia – Turma 2017.2  
Objeto do Contrato: O objetivo geral deste projeto consiste em oferecer ao longo de 4 (quatro) anos turmas de Mestrado Profissional em Engenharia Industrial (MPEI) para atender a demanda empresariais e institucionais da Região Metropolitana de Salvador (RMS), do Recôncavo e demais regiões do Norte-Nordeste, visando a qualificação desses profissionais em alto nível. Desta forma, tem-se como objetivos ou metas fundamentais: i) a formação, em termos de treinamento e capacitação, de profissionais de excelência na área de atuação em engenharia industrial, especialmente para o desenvolvimento científico e tecnológico sustentável de processos e produtos; ii) a manutenção de uma secretaria de atendimento a discentes e docentes, envolvendo profissionais e estagiários administrativos e financeiros que auxiliem nas complexas tarefas de um programa de pós-graduação; iii) a contínua adequação de espaço físico e condições de pesquisa, criação e inovação, via aquisição de insumos, ferramentas, serviços e equipamentos, entre outros, alem da busca de melhorias de condições nas instalações laboratoriais, visando um melhor desenvolvimento das atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão na universidade. No que se refere à inserção e à liderança do Programa nos cenários local, regional e nacional, o MPEI é o primeiro e único Programa Profissional de Engenharia da UFBA e do Estado da Bahia a alcançar o conceito 5, já em sua segunda avaliação trienal, e segundo no Nordeste em todas as Engenharias - a bem da verdade, o MPEI é o único Programa Profissional de Engenharia do Estado da Bahia. Vale lembrar que a RMS abrange o Pólo Petroquímico de Camaçari e o Centro Industrial de Aratu, representando 45% do Produto Interno Bruto (PIB) do estado, e envolvendo quase 4 milhões de pessoas, conforme senso de 2016 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O MPEI pretende causar um impacto considerável neste panorama, enquanto um agente relevante dentro de seu papel de reconhecida excelência. Tal projeto pretende, portanto, incentivar e apoiar ações voltadas para áreas interdisciplinares das engenharias, ciências e tecnologias, contando com um corpo docente de especialistas em diversas engenharias, físicos, químicos e matemáticos podem promover uma compreensão mais completa dos fenômenos estudados. A presente proposta interdisciplinar de pesquisa científico-tecnológica, de criação e inovação tem como objetivo promover a sustentação financeira, fomentando a continuidade e solidez do MPEI, especialmente fortalecendo ações de pesquisa e desenvolvimento no Estado da Bahia relacionadas aos seguintes eixos principais, que compreendem, de forma geral, trabalhos nas seguintes áreas: i) Desenvolvimento de processos e produtos químicos com ênfase em novos materiais, polímeros e nanotecnologia; ii) Otimização ambiental em unidades industriais com ênfase na redução de consumo de água e energia; iii) Modelagem matemática e desenvolvimento de técnicas de identificação com aplicações na indústria local. Tais estudos e trabalhos, a serem realizados por especialistas nas áreas, visam promover, através deste Mestrado Profissional, um auxílio tanto em pesquisa básica quanto aplicada na qualidade de protagonista nos cenários científico, tecnológico, educacional, econômico, ambiental e social do Estado. O desenvolvimento sustentável de produtos e processos, área de concentração do MPEI, aponta para o foco do Programa de atender o tríplice compromisso da sustentabilidade social, econômica e ambiental. Tradicionalmente, as engenharias têm se conduzido na busca da competitividade, aplicando a ciência para o desenvolvimento e uso de tecnologias que, a partir da sua sustentabilidade econômica, pudessem fornecer base para inovações, redundante se dizer, aceitáveis pelo setor produtivo e pelo mercado consumidor. Há quem argumente que, ao se atender o mercado consumidor, a tecnologia cumpre seu papel social. Há quem considere, ainda, que, ao contribuir para tornar as firmas e organizações nacionais mais competitivas, o desenvolvimento tecnológico cumpre também seu papel social. Na realidade isto não tem acontecido da maneira desejável. O desenvolvimento tecnológico não tem resolvido as graves questões sociais, nem do país, nem do mundo. Pelo contrário, os efeitos das diferenças sócio-econômicas entre países ricos e pobres têm se agravado, assim como entre as classes sociais dentro dos países em desenvolvimento. Algumas economias emergentes têm conseguido crescer economicamente, às custas da sub-remuneração de sua mão-de-obra e atingindo limites ambientais até então preservados. Outros, às custas de níveis de insegurança cada vez maiores. O MPEI reconhece este conflito e o traz para o seio das suas preocupações e discussões. Com perfis diferenciados, os membros do MPEI refletem a visão das engenharias tradicionais, ao permitir um corpo docente multidisciplinar. Contudo, nos espaços de discussão interna do Programa, tem sido incentivado o embate intelectual de forma a se inserir, significativamente, os aspectos sociais, ambientais e econômicos na orientação dos temas de pesquisa. Ao se incentivar a dupla orientação dos alunos do Programa, e ao se criar comissões internas para avaliar o andamento dos projetos de pesquisa, constituídas por professores de linhas de pensamento diversas, tem proposto o avanço de ideias no sentido do triplo compromisso da sustentabilidade. Este triplo compromisso com a sustentabilidade define, portanto, a política de inserção do Programa com seu projeto, e guia a sua inserção e impactos regional, nacional e internacional. As evidências concretas de resultados alcançados podem ser depreendidas dos vários resultados obtidos com os diversos projetos apresentados nesta proposta. Esta preocupação é refletida, inclusive, na explícita orientação do Programa que exige que, sempre que pertinente, todas as dissertações devam considerar as dimensões social, econômica e ambiental do problema em questão, sempre em harmonia com os desenvolvimentos científico e tecnológico. Vale ressaltar que o componente curricular “Engenharia Econômica e Avaliação de Projetos” visa, como um de seus objetivos, fomentar a análise e crítica das propostas de pesquisa de alunos dentro deste contexto multifacetado.  
Continuado: Não Permite Acréscimo: Sim
Valor Inicial do Contrato: R$ 300.000,00 Valor Acumulado do Contrato: R$ 0,00
Valor Atualizado do Contrato: R$ 300.000,00
Saldo Atual: R$ 300.000,00
Permite inserção de notas fiscais pela gestora: Não Valor dos Últimos 12 meses: R$ 0,00
Cadastrador: LEANDRO COELHO CORREA ROSADO (leorosado)
Dados Acadêmicos
Número do Cadastro: -/-
Inovação Tecnológica: NÃO
Tipo do Contrato Acadêmico: TIPO B
Tipo de Projeto:
Coordenador: 432.024.035-91 - MARCIO LUIS FERREIRA NASCIMENTO
Contratante: 15.180.714/0001-04 - UFBA - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
Descrição do Contrato:
Dados da Licitação
Licitação: DISPENSA DE LICITAÇÃO - 17/2018
Informações para o Processo de Pagamento
Permite inserção de notas fiscais pelos fornecedores: Não
Informações do Cronograma SIASG/SICON
Número e Ano do Cronograma: ---
Situação do Cronograma: Não Definido
Dados do Contratado
Contratado: 15.255.367/0001-23 - FEP - FUNDAÇÃO ESCOLA POLITÉCNICA
Número do CEI: -
Endereço: Rua Professor Severo Pessoa, 31, Federação Cidade/UF: SALVADOR/ BA - CEP: 40210630
Telefones: - E-mail:  

<< Voltar

SIPAC | Superintendência de Tecnologia da Informação - (71) 3283-6100 | Copyright © 2005-2019 - UFRN - iramaia.intranet.ufba.br